terça-feira, 27 de novembro de 2012

TUDO SECO NO SERTÃO

Ao visitar o município de Antonio Martins, na semana que passou, pude ver de perto o estrago da seca naquela região. Revolta o cidadão não ver investimentos por parte do governo que acabem com esse sofrimento do povo.

Todo ano de seca é a mesma coisa, os açudes de pequeno porte secam e o desespero das pessoas é grande, porque eles dependem da água para dar de beber aos animais.

Já foi feito muito, mas está longe do suficiente. O pior é que precisaria de valores bem menores do que vemos investidos em obras de ornamentação nas cidades maiores, açudes feitos usando apenas barro já mudariam a história do nordestino.

Quando há inverno, há água de sobra, como não têm reservatórios suficientes ela vai embora, e quando chega a estiagem faz falta ao homem do campo. O governo teria que construir açudes grandes para garantir água e ração para os animais durante tempos difíceis.

Os prejuízos causados pela seca são incalculáveis, não tem matemático que consiga fazer a conta do quanto perdemos de produzir em anos como esse. O leite, carne, o ovo da galinha caipira, a carne de bode, de porco, mel de abelha, peixe, gergelim, fava, castanha de caju, batata-doce, jerimum, melancia, milho, feijão e muitos outros produtos que não lembro no momento.


Acredito que a nossa economia vai sentir muito ao longo dos anos, ao contrário do que muitos pensam, que o problema acaba com a chegada do inverno.
Na foto abaixo uma pinha assada pelo Sol

Um comentário:

Anônimo disse...

Ainda bem que esses dias deu uma melhorada no calor, tomara que comece as chuvas logo.

Aliny Santos